segunda-feira, janeiro 08, 2007

Jogos



Guida respondeu ao meu toque passado uns dias. Não enviei mais nenhum. Mandei-lhe um olá mais tarde no msn mas não respondeu. Passados uns dias tentou falar comigo por duas vezes também no msn. Também não lhe respondi. Não me apetece andar com joguinhos. Se não quer responder não responda, eu também não tenho paciência nem lata para fazer mais nada. Acho que o sentimento daquela tarde, que me parecia ser mútuo se desvaneceu...

Mas a surpresa chegou no sábado. Não queria falar aqui do meu amigo Hélder, mas é inevitável para compreender a história. Quando conheci Guida na noite, andava a atravessar a minha efémera fase de Casanova. Não queria mais do que levá-la para a cama, nessa altura. Então no final da noite contei que a tinha conhecido ao meu amigo Hélder, que me contou que conhecia o grupo de amigas dela. Encorajou-me e disse-me que ela era uma gaja fixe, apesar de a conhecer mal.
Eu fiquei com o número dela, ou melhor, ela com o meu, e disse-me que depois me mandava uma mensagem quando voltasse a ir à discoteca. Assim foi. Mas nessa noite encontrei Hélder a falar com ela. Cumprimentei-os mas eles continuaram a falar praticamente a noite toda. Ele parecia bastante interessado nela, e eu na altura estava-me nas tintas por isso passei a noite a dançar e a conversar com outras pessoas. Não me quis meter. De resto conhecia gajas novas praticamente todas as noites e não fiz caso. Desse o que desse aquela conversa entre eles, a mim não me interessava verdadeiramente.

A história só me começou a cheirar mal quando Hélder me contou que os dois saíam juntos para tomar café, e que trocavam mensagens com frequência entre eles. Apesar de me ter sentido um bocado mal com a situação encorajei Hélder para avançar, embora aquilo me parecesse uma traição. Mas, era sempre ela que tinha a última palavra, e se ela o curtia eu não tinha nada com isso. Entretanto envolvi-me com Laura, e como Guida me viu várias vezes com ela, algumas até em considerável intimidade, desisti completamente de tentar seduzi-la, apesar de ter achado várias vezes que gostava dela. De facto, das poucas vezes que voltámos a estar sozinhos e a conseguir ter uma conversa, pareceu sempre que havia ali uma forte atracção que não permitia esquecê-la, e assumia que ela sentiria o mesmo em relação a mim. Procurava inclusivé desculpas para terminar com Laura, porque não deixava de pensar nela...

Depois dessa tarde que passei com Guida, esse sentimento voltou ainda mais forte. De facto, ela parecia sinceramente que sentia o mesmo, e mostrou grande vontade de voltar a ver-me. Disse inclusive que me ligaria durante as férias de Natal, e eu tentei dissuadi-la dizendo que não era preciso. Mas o toque que lhe mandei uns dias mais tarde visava justamente ver se ela ainda tinha esse sentimento presente. O facto de não ter respondido logo naquela altura, e o facto de não ter voltado a tentar contactar comigo mais vezes ou por telemóvel, fizeram-me a pensar que não se lembrava, que não queria pensar mais em Guida...

Mas o final definitivo da história chegou depois. Eu continuava a saber que ela e Hélder saíam constantemente. Mas quando lhe perguntei se tinham uma espécie de amizade colorida, disse-me que não sentia rigorosamente nada por ele e que era meramente um amigo, uma espécie de "irmão mais novo". Nunca acreditei muito nessa classificação, mas no passado sábado quando recebi uma mensagem para mim assinada por ele (para combinar uma jantarada) enviada através do número dela, deixei de acreditar por completo... Não posso ficar chateado, até porque ele é uma boa pessoa e a conhecia primeiro. E principalmente, porque é sempre ela quem escolhe no final de contas. Se me desejasse realmente a mim, teria feito as coisas de forma diferente. Se não o fez das duas uma. Ou não tem interesse, ou é imatura e tenta fazer joguinhos infantis, e eu nisso não entro. Case closed.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial