sexta-feira, novembro 26, 2010

O coxo de amores morre, que fará quem anda e pode.
O dia de amanhã ainda ninguém o viu.
O desejo faz o formoso do feio.
O desconhecido sempre parece sublime.
O dia descobre a terra, a noite descobre os céus.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial