sábado, fevereiro 10, 2007

Estou Farto...

Estou farto de tudo e de todos, tal como tudo e todos parecem já fartos de mim... Eu já estava farto do mundo, mas acreditava, queria acreditar, que ainda haveria muito a descobrir, que haveriam coisas melhores que haveriam de surgir, pessoas, situações locais, sei lá... Hoje não acredito mais. Em nada... Embora seja um facto que gostamos de descobri-las começo a ter sempre a sensação que já sei o que vai acontecer, ou seja, nada... Esse efeito surpresa deixou de existir, o imprevisto deixou de surgir associado a uma carga positiva, e hoje em dia o que existe apenas são simplesmente cargas negativas que se vão acumulando e acumulando, sem sequer a esperança de acreditar que vai deixar de ser sempre assim, nem que seja por momentos, quanto mais inverter o rumo... Já não espero por esse acontecimento que pudesse mudar tudo, como esperei por tanto tempo... Assusta-me pensar assim. Dói muito, custa muito perder a esperança, perder o optimismo idiota e naif que nos faz mexer, porque depois não há nada mais que se possa esperar, nem sequer a ilusão de que há algo de bom no meio de tudo isto... A própria noção ou sensação de bom é uma ilusão, porque isso não existe no seu estado puro. Dizemos que esta ou aquela pessoa tem isto ou aquilo de bom, mas que é isso depois quando associado ao conjunto todo... Desaparece simplesmente, porque somos animais, porque somos selvagens, porque somos individualistas, e no entanto, mesmo dentro disto conseguimos ser tão diferentes que acaba por não haver um único adjectivo que se possa aplicar a duas pessoas simultâneamente. E no entanto apetece-me dizer que sou mau, se é isso que parecem querer que eu pense, pelos castigos que me dão, que tenho algo de mau dentro de mim, um egoísmo profundo que no fundo acaba por não ser nada disso ao certo... Um bocado de cepticismo, de deriva, de pensar apenas no presente momento em que escrevo isto e não pensar nem esperar nada para além do agora? Parece que se fartaram de mim, não sei, uma após outra e outra pessoas com quem gostava de partilhar o tempo e que vinham sempre com a mesma história de quererem não sei o quê porque também nunca compreendi muito bem. E porque nunca compreendi aquelas ideias associadas ao tem que ser assim e assado porque é assim mesmo, é isto que eu quero ou é isto que eu preciso, e todos querem o mesmo porque é o normal, e porque o que eu penso e faço não é nada disso, voltaram-me costas, expulsaram-me da cama e puseram-me na rua, deixaram-me na esplanada a falar sozinho, na festa, na mesa do café, e eu sem compreender porquê mas a pensar que deve ser um erro meu, que eu terei algo de mau em mim, porque todos se fartaram de mim e eu não sei porquê, não sei o que queriam, não sei qual foi o problema, não sei porque o fazem, mas quiseram dar a entender que a culpa é minha, que estavam fartos de mim, que o problema era eu, mas porquê, o que fiz eu de errado, porque será que todos me fazem isto e todos pensam assim não sei como nem o quê e porque me deixam sempre assim, sempre com a mesma conversa e sem me explicarem nada, mesmo quando gostam de mim, mesmo quando se apaixonam por mim, porque me castigam, porque querem que me sinta assim, porque me deixam assim sem acreditar em nada, farto de tudo e de todos e em esperança nenhuma em que isto deixe algum dia de ser assim...

1 Comentários:

Blogger Rita disse...

Este blog mata-me. LOL.

domingo fev 11, 06:16:00 da manhã 2007  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial