quinta-feira, fevereiro 03, 2011

Guns N' Roses-Back off Bitch


Não sei porque é que sempre tenho que fugir das gajas mais parvas, que são precisamente as únicas, que, quer eu queira quer não queira, me tentam assediar, manipular, humilhar, mesmo que não tenham qualquer outro interesse. Há muito tempo que decidi que estou melhor sozinho do que com qualquer mulher do mundo, ou pelo menos, melhor do que com aquelas que tenho conhecido. O facto é que as mulheres são muito mais lascivas do que os homens, porque o cio e o desejo sexual nelas é sempre superior ao dos homens. Senão vejamos: porque razão as mulheres são muito mais dependentes das relações e das fodas? Porque se masturbam muito menos, essa é a minha opinião. Eu masturbo-me todos os dias, ou dia sim dia não, e mesmo assim tenho vício. Duvido que uma mulher se masturbe diáriamente, e mesmo duas a três vezes por semana devem ser muito poucas. É fácil fazer o raciocínio, bastava-me estar uma semana sem me vir, e aí aceitava qualquer uma que me desse foda garantida por uma noite, e que não me chateasse muito. Assim são grande parte dos namoros hoje em dia, uma conveniente troca de corpos para o sexo e pouco mais. O problema é que essas facturas se pagam caro, pois há sempre o lado emocional, e se alguém definitivamente não se quer evolver emocionalmente com a primeira pessoa que aparece, como eu, é perfeitamente desnecessário andar ao sabor da maré. E depois ainda nos vêm tentar vender a ideia que temos de nos esforçar porque alguém nos deseja, quando na realidade isso é tudo falso. E depois gostam de manipular.., nem que seja para nos ver patinar em terreno escorregadio para depois virem fazer chacota ou odiar. Porque razão há mulheres que me provocam quando não querem nada comigo? Porque razão, mesmo quando sabem que eu não ando atrás de ninguém, fazem questão de me vir provocar apenas para me tentar confundir ou abalar, para eu pensar que querem algo comigo, quando já têm quem as foda e não têm nenhum interesse por mim? Porque me odeiam depois?
Por muito que me desprezem, concerteza não sentirão uma ínfima parte do nojo que eu sinto pelas personagens em questão. A raiva de alguém que é subitamente acordado de um sono profundo por uma criança mimada, que o faz só para chatear. Num mundo onde a liberdade é o maior bem, o desapego é o grau último de liberdade, e a forma de contornar os condicionalismos que nos vêm impor não é fácil, mas também não é impossível. Eu decido escolher este caminho, pelo menos, não me quero vacilar perante opções que não têm condições para chegar a ser opção, nunca mais. Para quê perder tempo com alguém que não gostamos, apenas para podermos ter sexo regularmente, enquanto não arranjamos alguém que amamos realmente de corpo e alma? A vida é demasiado curta para se perder tempo com erros de casting. Metade do mundo anda assim, por ver andar os outros. Eu não, e a grande maioria das vezes que pus de parte esta ideia, no passado e até recentemente, na tentativa de dar uma foda com um corpo que teimava em dissociar do resto, deu merda. Posso parecer diferente, narcísista, frio, calculista, mas hei-de pensar por mim até ao fim. O amor para mim não é uma moda, é antes de tudo o respeito por mim próprio, o auto-amor. Como poderemos amar alguém se não nos amamos a nós próprios antes de mais?

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial