domingo, outubro 31, 2010

Desistir do amor

Podes ler Ovídeo, podes aprender todas as técnicas de engate do mundo, podes saber satisfazer uma mulher sexualmente (algumas há que sao atrofiadas e isso exigiria tempo), podes ser atraente, inteligente e culto, mas perante todo o caos e egoísmo deste mundo, perante tanta merda, simplesmente desistes de tudo e de todas. Há muito que tinha deixado de acreditar no amor, mas secretamente lá ia restando aquela esperança pelo menos no sexo, numa companheira compatível, ou mesmo só numa noite. Esquece. A semana passada, a única que cheguei a equacionar nos últimos tempos, via-a ir com um amigo meu, uma noite depois de eu ter conseguido conhecê-la. Afinal, sempre que isto acontece penso que é pelo melhor, que ela não seria aquilo que eu procuro. O problema é que nenhuma é. Depois disso decidi mesmo não criar expectativas em relação a ninguém, não me humilhar perante ninguém. Foi precisamente isso que aconteceu, voltei a desejar alguém e humilhei-me o mais possível para chegar ao mesmo resultado. Há uma lei que nunca falha. A mulher que eu queria não existe, e todas aquelas que encontro vão-me sempre decepcionar muito mais cedo do que as minhas piores expectativas. A única solução, mais do que esgotadas todas as outras, é desistir mesmo de tudo, de todas, e não me voltar a submeter, a humilhar. É desistir do amor.

1 Comentários:

Anonymous Luís disse...

Concordo plenamente!

terça nov 09, 08:43:00 da tarde 2010  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial